Friday, 17 March 2017

Quando Marlon Brando equipou de leão rampante ao peito, em Agosto, no Verão quente de 1987, no estádio de José Alvalade.

Marlon Brando nasceu em Abril de 1924 na cidade americana de Omaha. Considerado por muitos como um génio, tratou-se de um dos mais influentes actores na história do cinema mundial e entre as suas mais notáveis prestações, até hoje, constam duas memoráveis: Coronel W. Kurtz em Apocalypse Now de 1979, e Vito Corleone em The Godfather, O Padrinho, de 1972. (Não se trata de António O. Salazar, o padrinho português que na década de 50 convidou o seu povo a construir, gratuitamente, um novo estádio para o Benfica e a quem este clube deve cerca de 1/3 do seu palmarés Nacional.) Apesar de nascido no Nebraska quis o destino que nos anos 80 Marlon Brando se cruzasse com Portugal, em concreto com o Sporting Clube de Portugal. O encontro aconteceu, para espanto de grande parte da imprensa americana, no estádio José Alvalade. Foi a 23 de Agosto de 1987, com o actor a deixar a sua marca aos 28 minutos.
Paulinho Cascavel, por sua vez, bisaria ...

Sunday, 12 March 2017

Fire and wind struck down these giants but in their rage, on the battlefield, they have forgotten the secret of steel

The secret of steel has always carried with it a mystery. You must learn its riddle, Conan. You must learn its discipline. For no one, no one in this world can you trust. Not men, not women, not beasts.
[Points to sword]
This you can trust.
Conan the Barbarian, 1982

Friday, 10 March 2017

Porque são as mães do Sporting melhores do que as mães que não são do Sporting, exceptuando as boas mães que não sendo do Sporting gestaram sportinguistas e as velhacas que criaram brunecos.

I
Olhamos os abismos de frente e por isso mesmo, com lágrimas nos olhos, suprem-se as limitações. Ultrapasse-se a própria dor. Faça-se da deseroização do transitório a exaltação do definitivo. A mãe [a nossa natureza] não manda ser um narciso de virtudes secretas ou de falências toleradas. Ordena vitórias na colaboração, façanhas no meio da praça (...) no cerne dos continentes, nas profundas dos infernos. Miguel Torga, Ensaios e discursos, pp. 146-147

O que lá vai, lá vai -- Pedro Oliveira. Do transitório ao definitivo.

II
Iniciou em Setembro último o ciclo preparatório e diz, a sua mãe, que a motivação não só se faz presente todos os dias como tem a menina desenvolvido especiais aptidões no domínio das artes plásticas ou, se quiser, das belas artes, já que a instituição local de ensino é pioneira num semestre dedicado às aguarelas, tintas acrílicas, e guaches. Disse-me ser ainda frequente, um ano passado, acordar a meio da noite com pesadelos. «As labaredas, não consigo esquecer as labaredas que vinham na nossa direcção». Imagino ter sido o pior. «Não, não foi o pior. Angustiante foi ter gritado à Joana para que corresse e tê-la visto bater no vidro e na rede que fazia de parede». Consigo visualizar. «Gritámos para que abrissem a caixa, para que nos deixassem dali sair já que começavam os mais idosos a asfixiar com o fumo, mas ninguém se mexeu, e do lado de fora diziam somente: temos ordens do alto comando da polícia de segurança pública para aguardar». No dia em que o Benfica construiu uma caixa no seu estádio para acolher os milhares de portugueses do Sporting que se deslocaram ao seu recinto para assistir a uma partida de futebol. Percebi desde então, garanto-vos, o porquê de 'inferno'. Lógico, podendo a cicatriz não desaparecer, suplico para que sobreviva a memória. Porque me segura este homem? Para onde me leva? Não quero ir, quero ficar contigo, só contigo mamã ... palavras  choradas aos soluços pela jóia mais bonita do mundo, nas palavras de sua avó, uma menina chamada Joana que a 26 de Novembro de 2011 foi agarrada e puxada pelo braço por um steward do Benfica enquanto a forçava até à sua cadeira no presídio que esta instituição ergueu para receber as milhares de outras crianças, mulheres e homens que se deslocaram ao seu estádio.

III
Quando eu era pequeno e a mãe  me mandava para a cama, às quartas-feiras de noite, escondia o rádio para ouvir os relatos dos jogos Europeus do Sporting. Costumo dizer, na brincadeira, que vejo o mundo às riscas verdes e brancas. Sou um apaixonado pelo Sporting desde que me conheço, muito com o incentivo da minha mãe que infelizmente me deixou quando eu só tinha dez anos. Ganhei títulos, vivi muitas alegrias e algumas tristezas mas nunca me esquecerei, jamais me esquecerei, que o meu melhor momento foi quando vesti pela primeira vez aquela camisola, porque eu sabia que era o desejo da minha mãe. Ela, como já disse, era apaixonada por futebol. Além de incentivar perspectivou-me o futuro. Dizia-me sempre: primeiro irás jogar no Sarilhense, depois na CUF do Barreiro, e finalmente no Sporting, que era o seu clube do coração e também o meu. E o certo é que acertou. Nunca se lembrou de falar no Vitória de Setúbal (sorrisos), onde terminei a carreira. Ela tinha uma taberna e matava as toupeiras e os ratos que destruíram os cultivos na Quinta do Esteiro Furado. O meu pai era fragateiro, tinha um bote e passava muito tempo no mar, longe de casa. Deram-nos uma boa educação com muito carinho, amor e respeito. Sinto um grande orgulho neles.
Deus criou o homem, ou foi o homem quem criou deus? O homem criou deus. Não vou à igreja, quero que se foda, só em casamentos e baptizados, nunca fui a uma missa nem rezei, apenas acredito no Sporting e na minha mãe.
-- Manuel Fernandes

III e um pouco
... desde os tempos em que se notabilizou ao serviço de uma das suas filiais, o Sporting Clube de Luanda, até ao dia em que partiu para a imortalidade na terra. Pelo meio, a concretização de um amor a 26 de Junho de 1937 no dia em que desembarcou em Lisboa viajado de Angola a-bordo do navio 'Niassa', acompanhado pela senhora sua mãe, sportinguista, professora e agricultora de profissão, na ocasião muito doente. (Esta última parte acrescentei agora: a mãe de Fernando Peyroteo encontrava-se muito doente aquando da vinda de ambos para Lisboa. Ela foi uma heroína como só as mães do Sporting sabem sê-lo.) «A minha mãe fez-me prometer que só jogaria pelo Sporting Clube de Portugal», citação abusiva já que não estou certo das palavras terem sido exactamente estas. Extraordinária declaração e quantos conceitos nelas cabem? Entre mais: promessa, ambição, desígnio materno, promessa e desígnio materno porque atados em laço pela sua mãe.
-- Fernando Peyroteo, A minha mãe faz-me prometer

IV
Nasce-se sportinguista, está-se sportinguista ou tornamo-nos sportinguistas? Para mim é fácil: ser sportinguista, o meu pai, a minha mãe, os meus avós paternos, os meus tios paternos são (ou foram até morrer) sportinguistas. Na minha família o sportinguismo corre-nos nas veias. Detenhamo-nos na imagem (é a mesma com diferentes ampliações) que ilustra este texto ... aquilo que é o Sporting. Meninos, meninas, senhores e senhoras, brancos e negros, prostitutas, alcoólicos, pessoas de todos os tamanhos, de todas as crenças, de todas as cores, irmanados no mesmo amor filial: o Sporting, um amor filial que me leva à imagem que está ali, ao emblema do Sporting Clube de Abrantes, a quarta filial do Sporting Clube de Portugal. Lembro-me menino e moço de passar por ali e olhar aquele emblema com reverência, como algo fantástico, era, de algum modo, a minha plataforma 9 e 3/4, onde apanhava não o comboio para Hogwarts (na altura ainda não existia o Harry Potter), mas sim um tapete mágico que me levava para a relva do estádio José Alvalade, onde sonhava ver Manuel Fernandes, Damas e outros senhores que eu ouvia marcarem golos fabulosos ou efectuarem defesas impossíveis nos relatos da telefonia.
-- Pedro Oliveira, Nascer Sportinguista

Mas há mais: viu o Sporting durante quase 100 anos congregar ou convocar as energias que em abono da humanidade combateram o fascismo português e a opressão do Benfica. Aprofundemos um tanto porque dissemos na ocasião, simples e aquilo de que ninguém fala, poucos porventura conhecem: em 1974 o Sporting Clube de Portugal saiu do país deixando para trás as lágrimas de muitas famílias, mulheres, mães e crianças para em solo germânico combater na então RDA a poderosa (nesses tempos) formação do Magdeburgo. Qual a relevância deste jogo? O Sporting CP em 24 de Abril despediu-se à saída do Estado Novo de Marcelo Caetano e quando regressou da República Democrática Alemã foi acolhido por uma nação livre. Afirme alguém o rei vai nu, perguntarei por que motivo nas escolas portuguesas ninguém fala nisto. É o despido país que temos.
Ainda assim, o 25 de Abril permanece, queiram ou não Marcelo Caetano e os benfiquistas, uma dívida que deverá ser paga ao Sporting Clube de Portugal. A dívida será um dia cobrada. Ontem não te vi no estádio da Luz. Vi-te no mato, trazido pelas carrinhas e jeeps do exército a bordo de corvetas no alto-mar com os rádios emissores dos sons de guerra.

V
Pelo Tivoli passaram em mais de 90 anos alguns dos nomes mais importantes do mundo da cultura, da arte, do teatro, do cinema, da música, e do caralho. E hoje passará o mais importante pesado e titulado clube português de todos os tempos. Passar-me-á ao lado, também, nada a fazer quanto a isso. Só espero que não passe ao lado de muitos porque existem coisas realmente importantes e esta é uma. Pelos leões temos a sensível, cultivada, pura, diligente, melodiosa, mãe e sportinguista bonita Matilde Trocado ... porque para cada público, um diferente cartaz. Responsabilidade é a palavra.


Um beijinho mãe, e obrigado.
Muito bonita, tu e ela.

Wednesday, 8 March 2017

"É a primeira vez que consta que um primo do presidente faz parte dos órgãos sociais, nomeadamente da Administração da SAD"

"A título de curiosidade" como diz o nosso amigo Rui, a quem aproveitamos para enviar um abraço, muita gente (muitos sportinguistas) desconhece(m) que Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da AG do Sporting, é sogro de Bruno de Carvalho. É, ou era, consoante já se tenha consumado, ou não, o divórcio do presidente do Sporting com a sua antiga companheira / esposa.
Quando se fala do Sporting Clube de Carvalho, é também sobre isto que se fala.

O «post» que remete para um aparente primo que fará aparentemente parte da Administração da SAD do Sporting, e que terá vindo a lume em virtude de uma suposta procuração passada em seu nome, pode ver-se lido aqui.

A justiça caiu para o lado de Marco Silva mas infelizmente o autor moral do crime continua a monte

É com bastante satisfação que lemos as notícias da condenação de José Eduardo em tribunal pelo crime de difamação no processo que o opunha a Marco Silva. Relembramos que o contributo de José Eduardo foi indispensável na campanha perversa que viu o ex treinador do Sporting publicamente humilhado pelo clube que representou com inegável profissionalismo e brio na época de 2014/15. Como parte da sentença, José Eduardo vê-se condenado ao pagamento a Marco Silva de uma indemnização de 10000 euros bem como ao pagamento de 5400 euros de multa ao Estado a que se somam as despesas judiciais do processo. Além destas, José Eduardo terá ainda de suportar os custos do anúncio da sentença nas edições dos 3 maiores jornais desportivos e generalistas do país além do anúncio da sentença nos canais de televisão RTP e RTP3.

Ainda assim, por se tratar de quem instrumentalizou José Eduardo ao longo da campanha miserável que visou o assassinato público do nosso (então) treinador cujo desfecho seria um vergonhoso despedimento por justa causa (vergonhoso para o Sporting, não para o nosso ex treinador), lamenta-se que o maior responsável pelo caso escape mais uma vez por entre os pingos da chuva como se nada tivesse a ver com o assunto. Pequenino, ridículo e sonso como sempre, os sportinguistas sabem no entanto ter sido Bruno de Carvalho - e não a sopeira José Eduardo - o verdadeiro autor moral de um crime e de um caso (mais um) que como disse envergonhou / envergonha o Sporting Clube de Portugal.
Há valores mais importantes que o dinheiro. A indemnização tem um peso relativo, o prestigio e a pessoa do Marco Silva falam por si. A decisão era a esperada e veio demonstrar que a justiça funciona. A verdade foi reposta. As pessoas não podem, impunemente, atentar contra a honra e dignidade dos outros. O essencial é a condenação. A indemnização é secundária.

Sunday, 5 March 2017

Sporting CP 1 - 1 Vitória SC. O Carvalho já tinha avisado ...


Duplo título Nacional para o Cross (palmarés actualizado)

Fim-de-semana repleto de glória para o atletismo do Sporting e em particular o Cross, disciplina que na Pista do Concelho de Mira, na Praia de Mira, viu as suas principais equipas feminina e masculina conquistar os respectivos títulos Nacionais. Os resultados das senhoras (no clube) ascendem agora aos 5 campeonatos Nacionais ao passo que os homens, agora bicampeões, conquistaram o 46º campeonato Nacional para o Sporting.

O palmarés já actualizado na barra lateral (pode consultá-lo aqui, com mais detalhe) ordena-se agora do seguinte modo:

46 Campeonatos Nacionais Pista, feminino 
1944/45, 1945/46, 1946/47, 1958/59, 1959/60, 1960/61, 1961/62, 1962/63, 1963/64, 1964/65, 1965/66, 1966/67, 1967/68, 1968/69, 1969/70, 1970/71, 1971/72, 1972/73, 1973/74, 1974/55, 1975/76, 1978/79, 1979/80, 1980/81, 1986/87, 1994/95, 1995/96, 1996/97, 1997/98, 1999/99, 1999/00, 2000/01, 2001/02, 2002/03, 2003/04, 2004/05, 2005/06, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2010/11, 2011/12, 2012/13, 2013/14, 2014/15, 2015/16

22 Campeonatos Nacionais Pista Coberta, feminino
1994/95, 1995/96, 1996/97, 1997/98, 1998/99, 1999/00, 2000/01, 2001/02, 2002/03, 2003/04, 2004/05, 2005/06, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2010/11, 2011/12, 2012/13, 2013/14, 2014/15, 2015/16, 2016/17

5 Campeonatos Nacionais Cross, feminino
1971/72, 1972/73, 1973/74, 2013/14, 2016/2017

48 Campeonatos Nacionais Pista, masculino
1940/41, 1942/43, 1944/45, 1945/46, 1946/47, 1947/48, 1949/50, 1955/56, 1956/57, 1957/58, 1958/59, 1959/60, 1960/61, 1961/62, 1962/63, 1963/64, 1964/65, 1965/66, 1967/68, 1968/69, 1969/70, 1970/71, 1971/72, 1972/73, 1973/74, 1974/55, 1975/76, 1976/77, 1977/78, 1978/79, 1980/81, 1984/85, 1986/87, 1987/88, 1994/95, 1996/97, 1997/98, 1998/99, 1999/00, 2001/02, 2002/03, 2003/04, 2004/05, 2005/06, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2009/10

17 Campeonatos Nacionais Pista Coberta, masculino 
1995/96, 1996/97, 1997/98, 1998/99, 1999/00, 2000/01, 2001/02, 2002/03, 2003/04, 2004/05, 2005/06, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2009/10, 2010/11, 2016/17

46 Campeonatos Nacionais Cross, masculino 
1911/12, 1927/28, 1929/30, 1930/31, 1934/35, 1940/41, 1941/42, 1942/43, 1947/48, 1948/49, 1949/50, 1951/52, 1958/59, 1959/60, 1960/61, 1961/62, 1962/63, 1964/65, 1965/66, 1966/67, 1967/68, 1968/69, 1969/70, 1970/71, 1971/72, 1972/73, 1973/74, 1975/76, 1976/77, 1977/78, 1978/79, 1979/80, 1981/82, 1982/83, 1983/84, 1984/85, 1985/86, 1986/87, 1987/88, 1988/89, 1990/91, 1992/93, 1994/95, 1996/97, 2015/16, 2016/17

[Muito obrigado a Henrique Salgado por nos manter actualizados]

Temos de escrever glória, vem aí um novo ciclo. Agora é que é, juro.

Bruno de Carvalho viu-se ontem reeleito para mais 4 anos à frente do Sporting. Sem surpresa, a vitória e o resultado alcançado - 86,13% para o presidente do Sporting e 9,49% para Pedro M. Rodrigues - reflectem as dinâmicas entre os proponentes ao longo da campanha (últimos 2 meses), e espelham o estado de espírito reinante no clube ao longo dos últimos 5 anos.
Afirmando-se desde o primeiro dia como uma das suas mais notórias inquietações, Bruno de Carvalho e o grupo que o rodeia criaram nos últimos 4 anos o contexto para que hoje se vissem reconfirmados à frente do Sporting. Esse contexto resume-se na imagem fabricada de Bruno de Carvalho e na imagem fabricada dos méritos do Sporting ao longo deste período.
A realidade demonstrar-nos-á, como fez nos últimos 4 anos, que com este presidente e estes decisores o Sporting continuará, em 90% do tempo, a ver-se desportivamente batido pelos seus rivais. A realidade tratará ainda de demonstrar, ao contrário do que ontem Bruno de Carvalho reafirmou, que à semelhança de tantos outros nas últimas 3 décadas, este Sporting continuará a ver-se banalizado por todos aqueles que em Portugal não são os seus adeptos.
O Sporting é, de algum modo, o novo Benfica. Se pensarmos sobre isto (dispenso fazê-lo) teremos obrigatoriamente de concluir tratar-se de um feito admirável.

"Os sócios mostraram que não querem um Sporting elitista mas um Sporting popular", apropriada, então, a reeleição do betinho da Aragão Pinto para uma nova lipoaspiração e milhares de aventuras ao longo dos próximos 4 anos nas mais proeminentes páginas da socialite portuguesa. O status privilegiado e elitista do presidente do Sporting permanecerá salvaguardado por parte do povo português que simpatiza e paga quotas no clube. Muitos séculos depois é isto que faz de Portugal um país tão especial ... para pessoas como Bruno de Carvalho, lógico.

"Hoje foi uma grande vitória do maior clube de Portugal e do mundo: o Sporting Clube de Portugal. Tivemos de escavar o nosso caminho mas agora vai iniciar-se um novo ciclo e o que queremos é escrever as paredes de glória. Vou superar-me, fazer cada vez mais, quero chorar ao vosso lado de alegria. Quero dizer ‘viva o Sporting campeão’. É esse o meu objetivo para os próximos quatro anos. Obrigado pai, obrigado Catarina, amo-te Joana. Obrigado por tudo. Agora a responsabilidade está no topo. Temos de escrever páginas e páginas de glória. Vou citar o meu tio-avô, Pinheiro de Azevedo, que foi primeiro-ministro de Portugal. Bardamerda para todos os que não são do Sporting.
Os rivais que hoje acordem, que hoje estremeçam, que o Sporting está aqui para ficar, está aqui para liderar" 

Estamos certos que os rivais não dormem a pensar no perigo que o Sporting constitui e a primeira coisa que fazem quando acordam é estremecer.

Resultados completos:

Conselho Directivo
Lista A: 8262 votos – 9,49%
Lista B: 74982 - 86,13%

Conselho Fiscal
Lista A: 9173 – 10,55%
Lista B: 78894 – 82,72%

Mesa da Assembleia Geral
Lista A: 8923 – 10,2%
Lista B: 71771 – 82,50%

"Despedir Jorge Jesus foi uma promessa marcante. Mas hoje faria o mesmo. É um bom treinador. Foi uma decisão com peso eleitoral"

É obrigatório exprimir um agradecimento a Pedro M. Rodrigues pela disponibilidade e pelo sacrifício de se candidatar à presidência do Sporting, especialmente se considerarmos o contexto radicalizado e mesquinho promovido pelo seu actual presidente. Não obstante a confiança que em diversas ocasiões reiterou numa vitória, creio que ele sabia ser praticamente impossível alcançar um resultado diferente do que vimos. Mas por essa exacta razão importará respeitar a sua decisão e a postura de princípio que adoptou, independentemente da concordância ou da discordância com a totalidade das suas propostas. Ainda alvos do nosso agradecimento:

László Bölöni, Juande Ramos, Delfim e tantos outros que se disponibilizaram para colaborar com o Sporting.

Tal como se perspectivava em Dezembro, 2017 mais não era do que um ponto de partida no qual os resultados da eleição se revelarão (revelariam) pouco importantes.

Disse-nos ontem PMR:

"Agradeço a Boloni e a Juande Ramos que estiveram a sofrer em casa. Alguns criticaram quem, como eu, tiveram a audácia de avançar. Vão dormir hoje pior que eu. Saio com consciência tranquila. Cumpri o meu dever como sportinguista. Continuarei a ser um sócio normal, atento às promessas feitas. Domingo lá estarei para apoiar a equipa. Estas eleições mostraram ainda que é importante não confundir o Sporting com quem o lidera. Os presidentes passam, o Clube fica. Reunidos não à volta de uma pessoa, mas do nosso Clube."

"Despedir Jorge Jesus foi uma promessa marcante. Mas hoje faria o mesmo. É um bom treinador. Foi uma decisão com peso eleitoral."

Saturday, 4 March 2017

O Sporting acordou, no mundo dos alienados

O Benfica foi, dos três grandes, o que menos gastou em salários na primeira metade da temporada. Segundo apurou o 'Expresso' (os tricampeões ainda não divulgaram o seu Relatório e Contas), os custos com pessoal por parte dos encarnados no primeiro semestre de 2016/17 andaram na casa dos 30 milhões, o que os coloca no terceiro lugar de uma lista com FC Porto e Sporting. E se os dragões são há algum tempo o clube com os salários mais elevados, a novidade aqui passa pelo facto de os leões terem ultrapassado as águias. Segundo o Relatório e Contas do Sporting, a SAD gastou 31,6 milhões de euros com pessoal, verba que fica assim acima da do Benfica e apenas superada pela dos portistas (38,9 milhões), desde 2014/15 no topo desta contabilidade.

Tal como se argumenta há muito e ao contrário, inclusivamente, do que alguns críticos do actual presidente do Sporting afirmaram nos últimos meses, em futebol orçamentos reduzidos nunca colocaram, não colocam, não colocariam o Sporting numa situação de inferioridade relativamente aos seus rivais. Consideradas as dinâmicas desta actividade e negócio, ao contrário do que acontece na esmagadora maioria das outras modalidades, em futebol não existe uma relação directa entre qualidade e custo: podemos encontrar muitos bons jogadores igualmente caros e baratos, e podemos encontrar uma quantidade considerável de maus jogadores igualmente caros e baratos. Para efeitos de qualidade, o que separa então um plantel muito capaz de outro mais debilitado não é o orçamento mas a capacidade para destrinçar uns dos outros.

Actualmente, 2016/17, tendo o Sporting a 2ª mais pesada folha salarial entre os 3 grandes e tendo, igualmente, um treinador que sozinho custa mais do que os 2 treinadores rivais somados, temos garantidamente o plantel com menos qualidade dos 3. Para efeitos de plantel a distância é aliás enorme.
Na imagem, o principal responsável pelas modalidades e o director desportivo para o futebol explicam-nos porquê: o Sporting tem decisores sem qualquer vocação ou aptidão para o que fazem. É assim há décadas.

Friday, 3 March 2017

Pense sobre isto antes de votar (a ilusória pujança desportiva do Sporting)

Ao contrário do que o discurso institucional («posts» do presidente do Sporting nas redes sociais) repete, pretendendo convencer adeptos mais distraídos e drogados pela sua demagogia, é errado pensar que os últimos 4 anos do Sporting são sinónimo de pujança desportiva. Evitando as sofríveis comparações com o pior possível, neste caso o período 2009-2013, consciencialize-se a bem do Sporting que a maioria das actuais secções do clube não estão capacitadas para devolver ao clube a glória que há quase 40 anos, em futebol, e há mais de 20 no grosso das modalidades lhe escapa. Se este Sporting pretendesse (não pretende) retomar a dianteira investindo nas suas estruturas de formação, método mais difícil mas simultaneamente o mais eficiente para atingirmos sucesso, faria sentido passar os olhos por cima de 4 anos sem títulos Nacionais nas principais modalidades que praticamos (exceptuando o futsal), perspectivando, em condições normais, que o horizonte a médio prazo se afiguraria risonho. Todavia, não é este o plano onde nos encontramos.

Ao afirmar que "os títulos chegarão no próximo mandato", Bruno de Carvalho demonstra estar a leste de perceber as razões pelas quais não chegaram neste. Teríamos a obrigação de tê-los alcançado? Completamente. Tal como o presidente do Sporting afirmou em muitas ocasiões, o clube teve realisticamente todas as condições para se ter sagrado campeão Nacional em atletismo, futebol, futsal, hóquei em patins e andebol. Porquê? Porque ao contrário de procurar fazer um trabalho de fundo no seu edifício de formação (tal como o Benfica fez como exemplo nos últimos 15 anos, com os resultados que se conhece), Bruno de Carvalho escolheu, a reboque de tentativas simplórias e popularuchas de aclamação, o caminho mais superficial e fácil de todos: dotar as principais equipas do clube de atletas e treinadores consagrados que nos permitissem chegar aos títulos instantaneamente. Uma vez que o clube não tem capacidade para gerar recursos que lhe permitam sustentar as actuais despesas ordinárias (vencimentos e outras), além de não garantir qualquer sucesso a médio e longo prazo, no curto prazo esta política falhou estrondosamente.

No masculino, o Sporting não estará consistentemente na dianteira do atletismo Nacional recrutando, como fez nesta temporada, os melhores atletas dos seus rivais. No feminino, os títulos Nacionais de futebol não serão difíceis de alcançar a partir do momento em que os principais rivais do Sporting não se fazem presentes. Tendo incomparavelmente mais recursos que lhe permitiram recrutar as melhores jogadores, e tendo simultaneamente muito melhores condições (estruturas físicas) relativamente à esmagadora maioria dos outros clubes que competem na principal liga, a obtenção de títulos no futebol feminino é para o Sporting uma mera formalidade. Assim, olhado o contexto da sua obtenção (consumada no caso do atletismo, presumível para o futebol feminino), os campeonatos Nacionais nestas duas parcelas não chegam para disfarçar o fracasso que constituiu a pavorosa aposta (orçamento disponibilizado) nas principais equipas das modalidades colectivas que o clube pratica. Pavorosa por (novamente) não incidir nas suas estruturas de formação.

Permanecemos sem basquetebol, sem voleibol e não alcançámos, nem alcançaremos, os campeonatos Nacionais de andebol e de hóquei em patins não obstante termos nestas duas modalidades os maiores orçamentos entre todos os clubes. Não direi mais importante mas seguramente mais cobiçado, também não alcançámos, nem alcançaremos, o campeonato Nacional de futebol não obstante termos hoje um orçamento próximo dos rivais e não obstante termos o melhor treinador da principal liga de futebol portuguesa. Só para o futebol e tal como já sugeri noutras ocasiões, os últimos 2 anos em que tivemos um treinador tão especial como Jorge Jesus foram nada menos do que uma enorme oportunidade desperdiçada. Assim é porque o Sporting não tem dirigentes de qualidade. Quando na última temporada éramos campeões de Janeiro com 7 ou mais pontos de avanço para o 2º classificado, e já depois de os termos derrotado em duelos directos num trio de ocasiões, o presidente do Sporting exibiu toda a sua insignificância, superficialidade, vaidade, falta de inteligência e falta de conteúdo quando decidiu atirar os foguetes reclamando que os outros dessem mais luta. Imagine que o Sporting até tinha conquistado esse título. Será meramente um (1) título aquilo que nos chega olhados os nossos últimos 40 anos? Seremos melhores ou estaremos melhores relativamente ao FC Porto e ao Benfica por sermos campeões uma (1) vez? Não premeie a estupidez.

Tuesday, 28 February 2017

Juande Ramos, o pensador fabricador de futebol

Independentemente da probabilidade que terá de vir a treinar o Sporting, é sempre uma enorme satisfação vermos um nome grande do futebol Europeu referir-se ao nosso clube em termos muito elogiosos: «Foi uma decisão fácil. Estou a 100% com o Pedro [Madeira Rodrigues], com o seu projecto e espero que os sócios confirmem o meu nome como novo treinador do Sporting. Não vamos defraudar os sportinguistas. Juntos vamos levar o Sporting à senda dos triunfos e do sucesso. Juntos vamos levar o Sporting aos triunfos»
Vindas do Espanhol, estas palavras são (no bom sentido) música para os nossos ouvidos. Infelizmente, dado o estado em que se encontra o clube, não é difícil antecipar algum do lixo que procurará apoucar os méritos de Juande Ramos só pelo simples facto de se associar ao candidato que se opõe a Carvalho.

Dono de uma fortíssima componente teórica, dono de uma fortíssima componente prática, Juande Ramos é um pensador e simultaneamente maquinador arquitectónico que  para efeitos de treino não diverge muito de Jorge Jesus. Tal como para o nosso JJ, Ramos é também um autodidacta. Dele disse-nos um dia o mestre Argentino, jogador e treinador Marcelo Trobbiani:

«Ele é um grande exemplo de um treinador que aprendeu tudo sozinho. Não recebeu nada de ninguém nem precisou de um passado glorioso como jogador de futebol. É por isso que os seus feitos são uma conquista. Não há dúvidas de que se quisermos ser bons treinadores teremos de olhar para Juande Ramos»

Metodológico, meticuloso, por vezes acusado de levar o seu trabalho demasiado a sério e por vezes acusado de inflexibilidade, a alcunha de «O Cruel» angariada no futebol inglês assenta como uma luva ao técnico que deu a glória a clubes como o Rayo Vallecano, Sevilha, e Real Madrid. Logicamente, foram os trabalhos em Sevilha e em Madrid que fizeram de Juande Ramos um dos mais consagrados treinadores na Velha Europa. Antes disso, o agora sportinguista já fizera história no Rayo Vallecano quando este clube recém-promovido à 1ª Divisão se viu convidado, a título excepcional, para participar nas provas Europeias de futebol como prémio pelo fair play que a sua equipa evidenciava em campo. Foi ainda no Rayo Vallecano que Juande Ramos protagonizou um dos mais famosos episódios na história do jogo: a vencer por 2-0 e insatisfeito com a postura relaxada dos seus jogadores, retirou do campo um elemento não fazendo entrar outro para o seu lugar. A sua equipa ficou assim reduzida a 10. Porquê? Se não jogarem sempre o vosso melhor, a bem ou a mal o adversário vencerá.
Hoje treinado por um dos melhores do mundo, Jorge  Sampaoli, mais do que El Grande de Andalucía, o Sevilha FC foi durante 3 anos a capital Europeia do futebol. Arquitecto de tamanho sucesso? Construtor de tão admirável obra? Juande Ramos. Na sua lista de proezas cabem, entre outras, uma vitória na Taça UEFA em final frente ao Middlesbrough (de Fábio Rochemback) por estrondosos 4-0, à qual se seguiria uma Supertaça Europeia batendo nada mais nada menos do que o campeão Europeu FC Barcelona por 3-0. Na temporada  imediatamente seguinte, 2006/07, nova vitória na Taça UEFA que fez do Sevilha bicampeão Europeu de futebol, conquistando ainda na prova interna um soberbo 3º lugar que valeu a qualificação para a Liga dos Campeões na temporada 2007/08. A este estrondoso sucesso somar-se-iam, igualmente, uma Taça do Rei de Espanha e uma Supertaça de Espanha em vitória sobre o topo-poderoso Real Madrid.

Para o caso de se concretizar, bem-vindo Juande Ramos a Alvalade.

Saturday, 25 February 2017

O fenomenal Jorge Jesus, caso de estudo

«E o Bas Dost acabou por marcar o 2º golo de penalty, não é? Um jogador que nunca marcou um penalty na vida dele, nas equipas onde andou, nem queria quando chegou ao Sporting, e eu pus-lhe a marcar penalties ... «Eu não sei marcar penalties» ... Não?, então vou-te ensinar. E já está a marcar e já fez um golo»

Como pode uma pessoa tão talentosa e genial ser ao mesmo tempo tão estreita, por vezes. Estreita não é o termo mas não encontro o que procuro. Há uma inocência em Jorge Jesus que é impossível não amar, e encontrar graça, associada à sua genialidade. Em certo sentido é realmente uma pena que tivesse escolhido o Sporting.
............................................................................................
A propósito de penalties não faço ideia do que fez Bas Dost (não vi o jogo). Desse modo, não faço ideia se a conversão do holandês merecia este nº de contorcionismo por parte de Jorge Jesus.
Em todo o caso, praticantes, futebolistas que porventura me leiam e adeptos em geral: vou ensinar-vos como se batem penalties. Como diria John Turturro só existem duas formas de fazê-lo: a minha, e a certa, e são ambas a mesma. Não existe outra forma (link).

Delfim, Bölöni, e Bruno de Carvalho. (O padrão que caracteriza o último.)

Como é timbre do actual presidente do Sporting, a falta de capacidade para encaixar posições contrárias à sua fá-lo amesquinhar, e tentar humilhar, todos aqueles que independentemente dos motivos não se revêem na sua liderança. Não é sequer necessário que os alvos do seu capricho constituam uma oposição. Basta que não o apoiem.
O presidente do Sporting é assim tão mesquinho.
É óbvio que Pedro M. Rodrigues, na óptica de Bruno de Carvalho, é um amador, zero à esquerda e simpatizante do Benfica. E é óbvio que László Bölöni, na óptica do presidente do Sporting, é uma pessoa sem grandes méritos com pouco para oferecer ao Sporting, não obstante um currículo e substância que falam por si. "Ficaria extremamente satisfeito que apresentasse, com a idade que tinham, Jardel, Niculae e João Pinto, juntamente com Bölöni", refere Bruno de Carvalho, esquecendo-se evidentemente de jogadores como Hugo Viana, Ricardo Fernandes, Ricardo Quaresma, Custódio, Luís Lourenço ou Cristiano Ronaldo. Esqueceu-se ainda, o palerma, da forma como no tempo em que representou o Sporting, László Bölöni geriu de forma notável duas necessidades, naquele período, difíceis de complementar: por um lado o imperativo de gerir as carreiras de jogadores veteranos como P. Barbosa, J. Pinto, R. Sá Pinto, André Cruz, Dimas, R. Bento ou P. Bento, e por outro a «obrigação» de reformular um plantel rejuvenescendo-o com jogadores da formação do Sporting. Estes dois objectivos viram-se plenamente atingidos e a promoção de jovens jogadores do Sporting foi, garantidamente, a principal razão que viu o treinador Romeno ingressar no Sporting, na temporada em que a Academia se viu inaugurada.

Logicamente, tal como para Pedro M. Rodrigues ou László Bölöni, também Delfim é alvo da mesquinhez de Bruno de Carvalho. De modo absolutamente lamentável e infeliz, afirmou o presidente do Sporting:

"Delfim quer fazer mal ao Sporting"
"O Delfim lembrou-se 10 anos depois que tinha uma lesão"
"O Delfim tinha um pontapé canhão, agora tem um negócio de agricultura"
Sobre estas afirmações recordo que Delfim não tem qualquer diferendo com o Sporting. Antes, com a empresa seguradora que trabalha(va) com o Sporting (Fidelidade). Recordamos ainda que  o antigo jogador de Boavista, Sporting e Marselha, entre outros clubes, viu-se impossibilitado de jogar ao longo de quase três temporadas (ao que chega a vontade de simular lesões, Bruneco), em virtude de sucessivas cirurgias ao joelho direito, quando os problemas de Delfim ficaram longe de se resumir ao joelho direito. O leitor poderá em todo o caso rever quatro anos negros em síntese. Por fim, a referência ao negócio de agricultura expõe de forma perfeita a pequenez e a natureza repugnante deste verme chamado Bruno de Carvalho.
De forma pouco surpreendente, olhado o registo sóbrio de Delfim, este reage ao presidente do Sporting com manifesta elevação. Diz-nos:

“O que terá pensado Octávio Machado a ouvir aquilo? Ele também está ligado à mesma actividade e faz parte da estrutura do Sporting. A agricultura é um hóbi, faz parte de mim, é um complemento a que me agarrei desde muito cedo face às lesões que fui contraindo, algumas delas devido a negligência médica. É o meu escape”

Noutra esfera, diz ainda:

“Não é fácil vermos alguém com a mesma influência de Adrien no equilíbrio da equipa. É difícil substituir Adrien. Ainda assim, Jorge Jesus é o melhor conhecedor das características dos jogadores e saberá encontrar alguém capaz de fazer o lugar sem que o colectivo perca qualidade

Tem Delfim mais qualidade num dedo que Bruno de Carvalho no corpo todo.

Friday, 24 February 2017

Pedro M. Rodrigues no debate de ontem à noite


"Somos muito diferentes"

"Ontem apresentei um nome para o coordenador do futebol e da formação. Finalmente vamos ter uma estrutura, coisa que não existe"

"Sozinhos não vamos a lado nenhum. Trago o Vitor Ferreira que começou com Bruno de Carvalho, mas saiu. Temos o Rogério de Brito. Temos Mário Saldanha para o basquetebol"

"Temos de voltar a colocar o Sporting nos lugares de decisão"

"A formação? Deixámo-nos apanhar pelos nossos rivais, embora a responsabilidade não seja só sua"

"Estamos fartos de ser processados, ofendidos. Você chamou-me imbecil, zero à esquerda e lampião"

"O Delfim saberá defender-se dos seus ataques"

"Foram ditas muitas coisas dispersas sobre Bölöni"

"Eu nunca disse que para se ser um bom líder tinha de se ter uma boa estabilidade familiar. Quanto ao IRS? É porque eu tenho estabilidade. Já me falaram do rendimento que você auferia antes de entrar, que era de dez, quinze vezes menos do que ganha agora no Sporting"

"Jorge Jesus tem ganho muito dinheiro"

"O tipo de gestão em que o clube acaba em 2.º e o treinador pede um aumento de 60% tem de acabar"

"Já que falamos de comissões, quem é Costa Aguiar? Porque recebeu tanto dinheiro com Bruno César?"

"O índice de aproveitamento tem sido muito fraco. Bruno de Carvalho sempre disse que ia ser o ano das contratações cirúrgicas a cada ano que passou. E não foi isso que aconteceu"

"Teremos uma equipa B a funcionar em condições"

"Bruno de Carvalho declarou que se não fosse campeão nos primeiros quatro anos, sairia do Sporting. Você, em 2013, disse que a medida de sucesso seria ser campeão. Continuo sem saber quem é Costa Aguiar e não vou massajar o ego de um treinador que já é, por si, muito egocêntrico. Falando de contratações, de mais de 60 milhões, conseguimos fazer um bom negócio com Slimani. Mas foram erros atrás de erros. Contratámos há pouco tempo 15 jogadores quando tínhamos miúdos da formação prontos para subir à equipa"

"Eu desestabilizador? E as figuras patéticas que você fez em Chaves? Felizmente as pessoas conhecem as relações que o presidente tem com os jogadores. Eu aguentei ao máximo a apresentação de Bölöni para não desestabilizar e não vou fazer como Bruno de Carvalho quando apresentou Marco van Basten há uns anos, onde fizeram uma festa enorme no dia em que o Sporting empatou em casa"

 "A equipa B é o corolário de uma má estratégia"

"Títulos para o futebol, infelizmente, só nos jornais"

"Ainda estou à espera para perceber a história dos 80 milhões de euros por Slimani"

"Ser anti-benfiquista ... Eu sou muito mais sportinguista do que anti-benfiquista, já o seu mandato é o mandato dos títulos do Benfica"

"De si estamos sempre a ouvir auto-elogios e já sabemos o que vai acontecer a seguir. Continuaremos a perder. Esta falta de cultura de exigência ..."

"Fique sabendo que o Sporting não vai acabar. O Sporting não vai acabar. Sabe quem é que disse que salvou o Sporting? Godinho Lopes. Soares Franco. José Roquette. E você. Como se compreende a venda de Montero? Sei que você não percebe muito de futebol"

"Com Bruno de Carvalho perdemos 25% do Sporting. Para recuperar isto, para poder pagar as VMOC'S, teremos de fazer um maior equilíbrio, baixar o orçamento para 45 /50 milhões. Já agora sobre Álvaro Sobrinho, o que me dizem lá fora é que ele é uma pessoa 'exposta politicamente'. Temos ladrado muito e mordido pouco. Eu não o chamei patético. O que é patético é a volta olímpica e a história do cuspiu, não cuspiu"

"Queremos recomprar a Academia porque está em nome do BCP. Eu até achava que era Millenium BCP mas é só o BCP. O que se exige de mim é ser presidente do Sporting Clube de Portugal. Eu quando tinha seis anos queria ser jogador do Sporting e não presidente, porque isso é saudável"

"Você é presidente pela remuneração e pelo reconhecimento público"

"Eu desestabilizo? E a atitude vergonhosa com Marco Silva? Sabe quem foi a primeira pessoa que disse que o Sporting não ia ser campeão este ano? Jorge Jesus. Sobre a área financeira gostava de perceber a questão dos fundos. Não sou contra os fundos bem geridos, podem ser importantes. Aqui houve um volte-face: Russos, Americanos e agora o Cáala. E a Traffic"

"A culpa nunca é sua, da pessoa que diz que tem o know-how. Da pessoa que tem curso de treinador e que até dá instruções aos jogadores quando entram em campo"

"Temos de ser credíveis e nós andamos a aprender a mentir. Na história dos números da bilheteira martelados, como exemplo"

"A cultura do medo: não se lembra de chamar abutre, lampião, rato? A comunicação que eu quero para o Sporting é outra"

"O sacrifício da exposição de Bruno de Carvalho foi nosso, dos sportinguistas. Tive de sair de uma intervenção na AG em que ele falava num tom ordinário. Esta ideia da Sporting Rádio? O nosso rival também fala nisso e lá vai ele atrás. Sabe onde estão os notáveis, aqueles que se servem do Sporting? Na sua lista de Comissão de Honra. Eu não quero o José Maria Ricciardi"

"Viva o Sporting"

Poderá rever o debate completo aqui.

Thursday, 23 February 2017

Bruno de Carvalho no debate desta noite

Além da capacidade que o moderador do debate, Rui Miguel Mendonça, exibiu para interromper Pedro M. Rodrigues sob qualquer pretexto ao passo que deixou Bruno de Carvalho discursar a seu bel-prazer, e a par do interesse e da insistência que o presidente do Sporting demonstrou durante quase meia-hora por assuntos importantíssimos para o clube como os «posts» de Vitor Espadinha no facebook, o debate desta noite fica marcado por ideias como:

"Delfim é uma pessoa que quer fazer mal ao Sporting", porque a dada altura iniciou um processo em tribunal contra a seguradora que trabalha com o Sporting.

"Mário Saldanha afastou-se do Sporting porque tirei os business seats (lugares no estádio) aos membros do Conselho Leonino"

"Somos pioneiros no videoárbitro, estamos na FIFA, no Parlamento, e na UEFA"

"A nossa equipa tirou o Sporting do 7º lugar e colocou-o em 2º"

"Na última época não fomos campeões por azar e influência de terceiros", a leste dos motivos por trás da perda do título na época passada. (Como a actuação no mercado de Inverno, André Carrillo, Fredy Montero e uma política patética de comunicação que alimentou permanentemente a equipa do Benfica.)

"A média desta direção é três épocas por Taça de Portugal e três épocas por Supertaça"

"O Delfim tinha um pontapé canhão, agora tem um negócio de agricultura", versando novamente sobre o ex jogador do Sporting.

"Jorge Jesus não ganha demais"

"Eu contribuo para a sociedade com uma fundação"

"Se você trabalha desde os 18, eu trabalho desde os 16"

"Eu ganhei 2 títulos Europeus para o Sporting"

"Nós estamos aqui a ser sérios"

"Subimos fortemente naquilo que é os sócios e nos rendimentos dos próprios sócios"

"Estamos equilibradíssimos naquilo que é proveitos e gastos operacionais, repito, sem vendas de jogadores"

"Quanto ao Montero ... o Téo marcou 16 golos"

"A verdade dos factos é que o Sporting tem de continuar este crescimento sustentado"

"A nível das modalidades nunca crescemos tanto"

"Fizemos obras na Academia como nunca foram feitas"

"Fomos nós que fizemos as primeiras obras de manutenção neste estádio, porque para mim manutenção não é mudar lâmpadas. Não quero concretizar mais porque amo muito o clube"

"Não avancei para o voto electrónico porque apesar de me acusarem de ser ditador, era para mim muito confortável fazer o voto electrónico e depois ter um informático aqui ao meu lado a inventar os dados"

"Estamos em vários centros comerciais do país. Estamos no Vasco da Gama"

Wednesday, 22 February 2017

Boas notícias, Sporting


László Bölöni, um nome muito forte e uma belíssima escolha para coordenador do futebol e da formação. (Sobre Delfim não tenho infelizmente qualquer opinião sobre a sua inclusão na estrutura de futebol do clube. O jogador Delfim traz-me evidentemente muito boas recordações mas nada que se relacione com as funções que desempenhará, em caso de vitória de Pedro Madeira Rodrigues.)

A descrição (Bölöni) "coordenador do futebol e da formação" antecipa, para o Sporting, o regresso daquele que é provavelmente o cargo mais importante em qualquer estrutura de futebol, a par do treinador: director técnico. A existência desta função que nos tempos que correm caiu de certo modo em desuso, quando bem preenchida (e o Romeno dá todas as garantias), é a forma mais eficiente de reformular e reestruturar um departamento de futebol acostumado a falhar nas principais decisões que toma, sobretudo na esfera dos jogadores (entradas, saídas, renovações, permanências, promoções). Inclusivamente na esfera da escolha de treinadores para a equipa principal ou outras. Os últimos directores técnicos de excelência que o Sporting teve foram Jesualdo Ferreira (durante uns meses) e Carlos Queirós na década de 90. Na prática e não como um mero título num organograma, só faz evidentemente sentido falarmos em director técnico quando o elemento que desempenha a função exibe uma fortíssima vocação no plano técnico, isto é: entendimento sobre futebol, sobre o jogo.

É o caso de László Bölöni (caso nada de muito estranho tenha acontecido ou mudado com a / na sua pessoa). Um regresso mais do que bem-vindo, caso se concretize. Logicamente, espero que se concretize porque terá significado uma vitória da Lista A nas eleições.

.................................................................................

Sem que tenha qualquer importância para o assunto, mas relacionado a László Bölöni que é para todos os efeitos um dos mais poderosos Romenos de todos os tempos, podemos revisitar o dia 05 de Novembro de 1986: Sporting CP 2 - 1 FC Barcelona, e a subsequente eliminação da equipa portuguesa pelo critério de golos sofridos em casa. Os homens de Barcelona seguiriam em frente e seriam mais tarde eliminados pelos escoceses do Dundee United. De que FC Barcelona falamos? Daquele que também em 1986 mas a 7 de Maio, no Ramón Sánchez Pizjuán em Sevilha, perdeu a final da Taça dos Clubes Campeões Europeus para um Romeno muito especial, um dos capitães do Steaua de Bucareste e campeão Europeu em 1985/86, o sportinguista László Bölöni que 16 anos mais tarde festejaria um triplete ao serviço do Sporting, conquistando campeonato, taça e supertaça. Vamos a isto László, eu acredito.

Monday, 20 February 2017

Sobre o inalienável direito dos sócios do Sporting Clube de Portugal à não divulgação pública dos seus dados pessoais

Provavelmente relacionado com a mentira de propalados 150 mil sócios e com outros motivos de natureza diferente (mais difíceis de descortinar), a Mesa da Assembleia Geral presidida por Jaime Marta Soares recusa-se a cumprir os regulamentos internos do clube não publicando os cadernos eleitorais no site do Sporting para consulta de todos. Com publicação dos cadernos eleitorais entende-se nome do sócio e nº de votos a que tem direito, nada mais (como morada, endereço de e-mail ou qualquer outra informação pessoal). Tal como alerta Pedro M. Rodrigues e tal como alertam outros associados, mais do que falta de independência e parcialidade esta situação incorre em ilegalidade. Uma vez que estamos a menos de 15 dias da realização do acto eleitoral,  e a data limite para a publicação dos cadernos já se viu portanto ultrapassada, esta ilegalidade é suficiente para que as eleições possam ver-se impugnadas.

Em comunicado emitido ontem sobre este caso, diz Jaime Marta Soares:

«É entendimento da Mesa que o previsto nos Estatutos e no Regulamento da Assembleia deve, ainda, ser conformado com o inalienável direito dos sócios do Sporting Clube de Portugal à não divulgação pública dos seus dados pessoais»

Recordo que a publicação deverá envolver um nome e o nº de votos a que esse nome terá direito, nada mais. (Lembro-me de consultar os ditos cujos em 2013 e não me recordo se o nº de sócio também constava na informação publicada.)

Em todo o caso, para efeitos de denúncia da desonestidade, do descaramento e da hipocrisia que se apoderou do Sporting, pegando na justificação de Jaime Marta Soares com o «inalienável direito dos sócios do Sporting Clube de Portugal à não divulgação pública dos seus dados pessoais», relembro o que fez Bruno de Carvalho, a Mesa eleita pelas suas listas em 2011, bem como a sua lista em 2013 (da qual fazia parte Rui Morgado, mas adiante) aquando das últimas eleições. Nessa altura, perante dados contendo informações pessoais (pelo menos moradas) fornecidos não ao público mas às listas concorrentes às eleições, Bruno de Carvalho usou-se dessa mesma informação para contactar directamente os sócios do Sporting que receberam em casa cartas com panfletos eleitorais da lista por si encabeçada.

Esta situação na altura desagradou a muitos associados que naturalmente entupiram os serviços do clube com queixas e pedidos de informação, a fim de saber quem disponibilizara as suas moradas para efeitos eleitorais.
Mais ninguém o fez. Só Bruno de Carvalho e a sua lista.

Sunday, 19 February 2017

Dá para trocar Bas Dost por Rui Fonte e Zeegelaar por Pedro Santos?

São 2 internacionais holandeses ...

Em Outubro de 1996, numa visita do Sporting ao Saint-Symphorien em Metz, estádio de onde saiu derrotado por 2-0, o adjunto de Robert Waseige ficou de olho num médio francês que dava pelo nome de Didier Lang. No final da temporada, o mesmo adjunto, agora como treinador principal, indicaria a contratação deste jogador por parte do Sporting ao emblema gaulês. Poucos meses depois, no primeiríssimo jogo do Sporting na renovada Liga dos Campeões Europeus, a equipa de Octávio Machado, Oceano, Pedro Barbosa, Leandro, Afonso Martins e Beto, demoliria no mítico estádio José Alvalade o fortíssimo AS Mónaco de Jean Tigana, David Trezeguet e Thierry Henry por estrondosos 3-0. Este mesmo AS Mónaco só cairia nas meias-finais da prova aos pés da poderosa Juventus de Marcello Lippi, com um resultado de 4-6 no conjunto das duas mãos.

De Didier Lang não sobram muitos relatos da sua passagem por Alvalade. Ainda assim, quem tem memória recorda-se de quem meteu a bola na cabeça de Oceano para o primeiro dos 3 golos apontados à equipa francesa. Quem tem memória recordará, ainda, que cada pontapé de canto ou livre a favor do Sporting batido por este francês era o equivalente a meio-golo.

Didier Lang. Como ganhar só com bolas paradas.

Rui Patrício, 400 jogos e 10 anos de um dos melhores na sua história

Olhada a importância na equipa do Sporting e o brilhantismo de largas centenas de intervenções nos últimos 10 anos, o vídeo de homenagem que o Sporting compilou e exibiu ontem no estádio (link) não é particularmente feliz e está longe de fazer jus ao seu guarda-redes. Ainda assim, exibe 5 ou 6 momentos reveladores das maiores qualidades daquele que é, sem dúvida, um dos melhores guarda-redes na história do Sporting e, a par de Ederson, o melhor guarda-redes do campeonato português.

Além de um exemplar profissional e capitão do Sporting, quais são as características que fazem de Rui Patrício um guarda-redes especial? Somente duas: saída da baliza aos pés dos adversários em situações de 1x1 e muita qualidade entre os postes. É sobretudo a primeira que faz dele um guarda-redes sinónimo de pontos. Parabéns Rui Patrício.

Quando daqui a 10 longos anos te retirares, sentiremos todos a tua falta.